terça-feira, 2 de abril de 2013

("Hipótese frágil" - Marcelo Lyrio)
 
 
 
Estou viva
Mas a morte é música.
A vida, dissonância.
Minha alegria é como
fim de outono porque
tive nas mãos ainda flores
mas flores estriadas de sangue.
 
 
Há cristais coloridos
nos teus olhos.
Vida viva nos teus dedos.
 
 
Estou morta.
Mas a morte é amor.
 
 
Não fiz o crime dos filhos
mas sonhei bonecos quebrados
sonhei bonecos chorando.
 
 
Alguns dias mais
e serei música.
Serás ao meu lado
a nota dissonante.
 
 
 
Hilda Hilst

2 comentários:

  1. Vengo del blog de Tonha_farias y me ha encantado tu Rincón; por lo cual, si no te importa, me gustaría ser Seguidor de tu Bello Espacio.
    Abraços.

    ResponderExcluir
  2. ara Daniella, gostaria de saber se é você uma das seguidoras de Uma história incompleta, de minha autoria.

    Obrigada se vc responder, ou para esse texto ou no Facebook, onde estou como Dade Amorim.

    ResponderExcluir