sábado, 15 de outubro de 2011

Safo ou o Suicídio I

 (Imagem: Robert and Shana ParkeHarrison)




Criatura magnética, demasiado etérea para o solo, muito carnal para o céu, seus pés besuntados de cera romperam o pacto que nos une à terra. (...) Ela tem o ar de um atleta que se tivesse recusado a ser anjo para não diminuir o valor dos seus saltos perigosos. (...) Essa mulher que, até ali, tomava para si a escolha, a oferta, a sedução e a proteção das amigas mais frágeis, distende-se e cai, enfim, suavemente abandonada sob o peso do seu próprio sexo e do seu próprio coração, feliz por já não ter ao lado de um amante senão o gesto de aceitar (...) aquele ser cansado de não ser senão a metade de uma mulher. Flutua no ar, águia do seu próprio abismo...


Marguerite Yourcenar

Um comentário:

  1. Absoluto, inteiro, e em pedaços.
    Uma beleza, Daniella.

    beijos da El

    ResponderExcluir