terça-feira, 30 de agosto de 2011

Iceberg

 (Imagem: Marc Deneyer)



Nossa infância separou-se de nós
como um iceberg
nós a olhamos afastar-se
lentamente
o brilho cego do gelo contra o sol
e tudo o que dizem que há por baixo.


Ana Martins Marques

3 comentários:

  1. Como algo tão triste pode ser, proporcionalmente, tão lindo? Amo esses paradoxos que não precisamos separar na poesia!

    ResponderExcluir
  2. Fiquei encantado com seu blog, adorei a imagem do iceberg e o texto também.Abraços e um ótimo final de semana.

    Murillo
    http://in-conditional.blogspot.com

    ResponderExcluir