domingo, 10 de julho de 2011

regresso
frente à frente
um muro alto me espreita
cabe na palma da tua mão
o adeus

por que olhamos tão alto?
nesta rua sem paredes


a saliva corre
pelos subúrbios do corpo
em trâmite
pulsando a verdade

Nenhum comentário:

Postar um comentário